Adicional de R$ 150 por criança do Bolsa Família já tem data de liberação

Adicional de R$ 150 por criança do Bolsa Família

O orçamento para 2023 foi aprovado com o apoio de Lula. Com isso, reivindicava-se o retorno do Bolsa Família e um adicional de R$ 150 por criança de até seis anos.

No entanto, essas afirmações eram imprecisas, pois o ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias, afirmou que 90 dias depois já deveria estar disponível a notícia dessas promessas.

O ministro confirmou nesta quinta-feira (5) que o pagamento do adicional será feito logo após a revisão do CadÚnico, essencial para o processo de renovação.

“Há uma recomendação do Ministério Público para que trabalhemos inicialmente com uma perspectiva de 90 dias. Estamos agora com as equipes técnicas debruçadas nas alternativas exatamente para trabalharmos no menor prazo possível”, afirmou o ministro durante a posse da ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet.

Adicional de R$ 150 por criança somente em 90 dias? Entenda o motivo

A preocupação tanto do ministério público quanto da equipe técnica é que os dados do CadÚnico possam estar imprecisos ou desatualizados devido à condução do ano anterior. Assim, “para haver segurança tem de haver um sinal técnico”, explicou Dias.

“Os programas do governo são para os mais necessitados, mas também devem atender outras necessidades”, lembrou o ministro. O novo líder da pasta disse que o ministério vai retrabalhar os programas sociais. Segundo Dias, alguns beneficiários não atendiam às exigências do Bolsa Família.

Novo pente-fino do governo

No final do ano passado, o governo federal anunciou um grande pente-fino no cadastro do Bolsa Família (anteriormente conhecido como Auxílio Brasil). A avaliação será feita com base nas informações fornecidas pelo Cadastro Único do Programa CadÚnico Social.

Para evitar a perda de benefícios, o cidadão deve estar atento a possíveis omissões ou erros nos dados fornecidos. Caso precise alterar algum deles, basta ir ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

O objetivo da investigação do governo é descartar famílias que receberam pagamentos indevidos, incluindo aquelas que realmente precisavam dos pagamentos para sobreviver.

O que será avaliado no pente-fino?

Diante das informações divulgadas até o momento pelo novo governo, o pente fino vai se concentrar nos seguintes pontos:

  • Pessoas que afirmam morar sozinhas, mas estão mentindo;
  • Famílias que não atualizam o CadÚnico há mais de dois anos;
  • Famílias que não informaram a renda ou o número de membros correto.

O Brasil registra uma média de 3,1 pessoas por família; portanto, muitos membros do primeiro grupo são considerados suspeitos. Isso se deve a irregularidades em seus registros.

O ministro observou que 3,5 milhões de famílias unipessoais – famílias com uma pessoa – apareceram. Ele afirmou que essas famílias de repente tinham uma população média de 2,7 pessoas.

Informações adicionais indicaram que grandes irregularidades foram observadas, disse Dias.

Outra novidade anunciada pelo novo governo é a volta de algumas condições do Bolsa Família. Após a sua implementação, o descumprimento das obrigações também pode resultar na exclusão do benefício.

Estas condições incluem a manutenção da caderneta de vacinação das crianças e jovens e a sua frequência escolar; realizar o pré-natal adequadamente (para gestantes); e monitorar crianças em situação de trabalho infantil.

 

%d blogueiros gostam disto: