4 benefícios secretos que o INSS

Aposentadoria por Idade: Vejas as regras, cálculo e como solicitar em 2022

Requerer a aposentadoria do INSS costuma ser uma tarefa que gera muitas dúvidas ao segurado. As informações sobre esses processos serão constantemente atualizadas, e você deve ter muito cuidado ao solicitar a aposentadoria por idade (uma das modalidades de aposentadoria) para se inscrever corretamente.

Regras da aposentadoria por idade

Antes da reforma da previdência, além dos 15 anos de carência e de contribuição, eram necessários 65 anos para os homens e 60 anos para as mulheres para solicitar a aposentadoria antecipada.

Calculado com base na média de 80% dos maiores salários de contribuição em julho de 1994, e usou um coeficiente de 70% mais 1% da contribuição anual como a média. Por exemplo, se o segurado tem 20 anos de contribuições, ele receberá 90%.

Desde novembro de 2019, o novo regulamento entrou em vigor, sendo que a idade para requerer este benefício é de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. O prazo de pagamento e carência para as mulheres ainda é de 15 anos, mas para os homens é aumentado para 20 anos, aumentando a exigência de prazo mínimo de pagamento.

Regra de transição da aposentadoria por idade

Mas quem já havia contribuído para o INSS antes da aprovação da reforma pode contar com as regras de transição para a aposentadoria por idade. Nessa regra, a idade aumenta ano a ano, 6 meses a cada ano, a partir dos 60 anos em 2019, passando para 60 anos e 6 meses em 2020, passando para 61 anos em 2021 e completando 61 anos em 1º de janeiro , 2022 Zero 6 meses.

Na regra de transição por idade para aposentadoria, a idade mínima de aposentadoria para os homens não mudou, porque antes e depois da aposentadoria, a idade mínima de aposentadoria para os homens não foi revisada e permanece nos 65 anos.

Quanto ao período mínimo de contribuição exigido, de 15 anos para as mulheres e 15 anos para os homens, neste caso não aumentará ano a ano como a idade.

No entanto, deve-se observar que as regras transitórias se aplicam apenas àqueles que já haviam contribuído para o INSS antes da reforma previdenciária em 11 de dezembro de 2019.

Cálculo da aposentadoria por idade

O método de cálculo também mudou. O cálculo atual é a média de todas as doações de julho de 1994 até a data do pedido. É aplicado um coeficiente de 60%. Mulheres acima de 15 anos aumentam 2% ao ano, e homens acima de 20 anos.

Ressalta-se que, de acordo com as regras de alienação automática, desde que o segurado mantenha as contribuições mínimas necessárias, todas as contribuições mínimas que reduzem o valor do pagamento podem ser sacadas.

Para tanto, existe também a regra do “milagre da contribuição única”, que aumenta o valor do benefício para quem tiver contribuído há pelo menos 15 anos até julho de 1994.

Isso porque, desde aquele período, o segurado não possui remuneração média da previdência, ou se tiver, pode renunciar a ela. Nesse caso, se ela fizer pelo menos uma contribuição para o teto, ela tentará se aposentar com 60% daquela contribuição junto com o teto de contribuição.

Essa é uma regra muito interessante, porque muitas pessoas que começaram a contribuir nas décadas de 1960 ou 1970 não faziam boas contribuições para o INSS depois de 1994, e suas contribuições únicas ultrapassavam o limite superior e tentavam reduzir suas aposentadorias. Aumentou quase quatro vezes, então custam cerca de 1.300,00 reais.

Nestes casos, o planejamento previdenciário é muito importante, pois permite uma análise das contribuições realizadas, do período de contribuição anterior a julho de 1994 e do período de carência finalizado para aplicação dessa regra de descarte.

Antes de solicitar a aposentadoria, o segurado é aconselhado a cumprir algumas normas importantes. eles são:

– Na análise do CNIS, o arquivo do INSS contém extratos de todas as contribuições previdenciárias;

– Comparar CNIS com documentos e registros trabalhistas – caso o trabalho não seja registrado no CNIS, é importante apresentar ao INSS os documentos que comprovem a atividade. Se o CNIS estiver pendente, o segurado pode sofrer perdas;

– Calcule os benefícios a que tem direito, de forma a evitar possíveis erros e perdas ou mesmo rejeição do pedido;

– Avaliar possíveis melhorias futuras formulando planos de pensão;

– Preparar a documentação necessária;

– Com a ajuda de profissionais, os pedidos administrativos são feitos por escrito para chamar a atenção para diferentes situações ou possíveis problemas.

Documentos necessários

– Carteira de Trabalho (todas a folhas);

– Documento de identidade com foto;

– Comprovante de residência;

– Certidão de casamento;

– Carnês de contribuição;

– CTC/DTC (em caso de tempo em outro regime ou tempo de trabalhado em serviço público);

– PPP (em caso de trabalho especial);

– Declarações, laudos médicos, em caso de pessoa com deficiência.

Como requerer?

Você pode se inscrever pelo site do INSS ou pela inscrição do MEU INSS, e seguir as orientações fornecidas pela plataforma, de acordo com a real situação do segurado, responder corretamente as dúvidas e anexar os documentos necessários.

Em alguns casos, o e-mail e os números de telefone precisam ser atualizados. Vale lembrar que caso o solicitante opte por seguir o processo via e-mail, é necessário verificar cuidadosamente as possíveis atualizações enviadas pelo INSS para o endereço eletrônico cadastrado, como cumprimento de requisitos (requer documentos complementares), etc. para garantir que tais comunicações são ignoradas Negar o pedido.

Quando o segurado possui período de jornada militar e política ou especial de trabalho, na maioria dos casos é necessário comprovar junto ao órgão que as atividades laborais naquele período foram concluídas.

Em outros casos, pode ser solicitado tempo especial por categoria de trabalho, que é suficiente para o desempenho de funções na carteira de trabalhos.

Dica de especialista

1.  Quando a solicitação for feita por perito, deve-se ressaltar que toda a solicitação está fundamentada na Portaria e Portaria Normativa nº 77. Isso porque o INSS obedece a ordens próprias, esta IN é uma das ordens mais importantes para se candidatar a aposentadoria.

2.  O perito deve organizar a petição, detalhar o serviço e anexar os formulários e documentos à petição para solicitar os benefícios. A lei não exige petições, mas por questões de qualidade e segurança profissional, tais mecanismos são utilizados para aprimorar as solicitações.

3.  Quando se trata de indicadores CNIS, toda atenção é necessária. A luz indicadora é o status ao lado de cada link. Qualquer indicador pode significar questões pendentes a serem padronizadas.

4.  A fim de incluir a relação, recomenda-se também que, além da forma escrita, seja anexada à petição uma ficha de trabalho que comprove o mesmo.

Após o pedido, é importante:

– Analisar a carta de concessão;

– Analisar o processo administrativo;

– Acompanhar o pagamento, em caso de benefício concedido.

E se der errado? O que devo fazer?

É muito comum o INSS fazer concessões automáticas, principalmente nas aposentadorias, onde a máquina avalia pedidos e concede benefícios. Nesse caso, o pedido pode ser concedido indevidamente ou até mesmo rejeitado.

Nestes casos, pode ser solicitada uma revisão (se houver erro) ou um recurso poderá ser interposto (se a solicitação for negada). Normalmente, ao formular um plano de previdência com antecedência, os advogados podem identificar rapidamente possíveis erros na aplicação.

Na reconsideração ou recurso, deve-se prestar atenção para explicar os motivos, explicar e demonstrar os motivos do recurso de reconsideração e considerar o método de tratamento correto.

Ainda é possível a realização de alegações orais perante a Câmara de Recurso, ou seja, em caso de recurso, é possível falar com um consultor do INSS. Normalmente, esse apoio verbal também deve ser feito por um especialista da previdência social.

%d blogueiros gostam disto: