Bolsa Família – Como saber se tenho direito a receber o beneficio

Adicional de R$ 150 por criança do Bolsa Família

Até que a transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família seja concluída, os beneficiários do benefício continuam recebendo pagamentos. Isso ocorre porque nenhum substituto foi desenvolvido ainda.

Nesse primeiro momento, por até 90 dias, o auxílio brasil continua sendo pago as famílias cadastradas. O Bolsa Família só será confirmado após análise dos registros e irregularidades existentes. Como tal, o processo de verificação de elegibilidade permanece o mesmo de 2022.

Para receber o benefício, a família deve se cadastrar no Cadastro Único (CadÚnico). Além disso, devem atender aos requisitos estabelecidos para as condições de pobreza e extrema pobreza. Para estar dentro dos limites da pobreza e da pobreza extrema, eles devem ter:
  • Pobreza: renda familiar per capita entre R$ 105,1 e R$ 210 e ter crianças, jovens até 21 anos e/ou gestantes dentro da estrutura familiar.
  • Extrema pobreza: renda familiar per capita em R$ 105.

Para saber qual é a sua situação no Cadastro Único, o beneficiário pode consultar:

  • O aplicativo, disponível para Android e IOS;
  • O site do CadÚnico;
  • Presencialmente em qualquer CRAS (Centro de Referência de Assistência Social).

Como entrar em contato com o Bolsa Família

Para entrar em contato com a Central de Atendimento de Benefícios ligue 121. Basta informar seu CPF ou Número de Identificação Social (NIS) para iniciar o atendimento.

Informações sobre o pagamento do cartão e do benefício podem ser obtidas por meio do atendimento federal da Caixa Econômica no telefone 111.

Além disso, o beneficiário pode consultar pela internet, pelo aplicativo Caixa Tem ou pelo próprio aplicativo Auxílio Brasil. Após a reformulação, todos esses dados serão transformados e renomeados para Bolsa Família.

Possível perdão do consignado do Auxílio Brasil

Segundo o secretário da Fazenda, Rogério Ceron, é bem possível que a Caixa Econômica Federal tenha que arcar com as perdas relacionadas ao próprio empréstimo consignado do Auxilio Brasil. Caso isso não aconteça, os valores serão deduzidos diretamente dos cofres da União.

Os dados mostraram que um em cada seis beneficiários do Auxílio Brasil e BPC (Benefício de Prestação Continuada) optou por empréstimo consignado para obter benefícios, o que equivalia a um total de R$ 9,5 bilhões que a Caixa teve de pagar.

Na época, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado a suspensão do modelo devido ao alto risco de inadimplência.

Planos para o empréstimo consignado do atual governo

Embora não possamos confirmar a continuidade do Empréstimo do Bolsa Família, sabemos que existirá um programa para lidar com um possível alívio da dívida do Empréstimo do Auxílio Brasil.

Estamos falando do Desenrola Brasil, um programa criado pelo governo federal que está em fase de desenvolvimento e terá o apoio de vários ministérios, além do Ministério do Desenvolvimento Social, responsável direto pelo Bolsa Família.

%d blogueiros gostam disto: