Boas notícias do governo sobre o Crédito Consignado Auxílio Brasil

Fontes ligadas ao governo disseram ao jornal O Globo que o Ministério da Cidadania não poderá liberar contratos de empréstimo salarial para beneficiários do Auxílio Brasil em setembro, mas o ministério tentará fechar as negociações esta semana e liberará em meados de  Outubro.

O crédito não será liberado em setembro, pois não há consenso na carteira sobre um teto para a taxa de juros que pode ser cobrada, mas o Ministério da Cidadania corre para chegar a um consenso interno com o Banco Federal do Brasil nesta semana. (Febraban) e acabe com o contracheque em papel na primeira quinzena de outubro.

Se essas negociações terminarem, o governo espera que o crédito comece a chegar aos bolsos dos beneficiários em meados de outubro, pois após a divulgação, os bancos interessados ​​terão que atualizar seus sistemas e o governo ainda precisa passar por procedimentos internos.

As informações trazidas pelo jornal foram repassadas por fontes dentro do governo, então o jornal procurou o Ministério da Cidadania e perguntou sobre os planos para a liberação do carregamento do Auxílio Brasil, mas o ministério não se pronunciou sobre o assunto, nem o prazo que nega.

auxílio brasil

Liberação do consignado do Auxílio Brasil

Em 4 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro (PL) aprovou a Lei nº 14.431 permitindo que essa nova modalidade de crédito seja oferecida aos beneficiários do programa Auxílio Brasil, mas membros da equipe do governo esperavam que essa abordagem fosse regulamentada rapidamente, no entanto, essa O comunicado de imprensa ainda não aconteceu.

O impasse ocorre porque o governo não estabeleceu um acordo sobre teto de juros para esse crédito, e as críticas de especialistas e entidades de defesa do consumidor sobre o risco da dívida pública, que depende de transferências de renda, se intensificaram nas últimas semanas.

O ministro da Cidadania, Ronaldo Bento, defendeu o teto de juros para aposentados, atualmente em 2,14% ao mês, porém, os liberais do governo acreditam que a decisão também deve partir do mercado, já que os prazos de pagamento dos empréstimos levam a atrasos nos contratos de crédito no caso de liberação.

Bancos e o consignado do Auxílio Brasil

Recentemente, o órgão de defesa do consumidor escreveu ao governo solicitando que as medidas para autorizar os beneficiários das organizações auxiliares brasileiras a celebrar contratos de empréstimo salarial sejam adiadas até que seja realizado um estudo sobre o impacto das deduções de crédito do salário nos orçamentos familiares.

Há até problemas de imagem para os bancos, que, na opinião de alguns especialistas, lucram com as pessoas mais miseráveis, que gastarão a maior parte de seus ganhos em prestações. Folha de pagamento, razão pela qual muitos decidem deixar consignação.

Segundo técnicos do Ministério da Cidadania, 17 bancos continuam interessados ​​no modelo de crédito​​, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil (BB), além de algumas instituições de pequeno e médio porte, mas os maiores bancos privados do país , como Bradesco, Itaú Unibanco e Santander anunciaram em agosto que não participariam.

Bancos que oferecem o empréstimo consignado do Auxílio Brasil

Bancos que já confirmaram que VÃO OPERAR:

  • PicPay;
  • Agibank;
  • Caixa;
  • Banco Pan;

Bancos que ESTÃO AVALIANDO a regulamentação para decidir:

  • Banco do Brasil

Bancos que NÃO VÃO ofertar o empréstimo consignado:

  • Itaú;
  • Nubank;
  • Santander;
  • Bradesco;
  • Banco Inter;
  • C6Bank;
  • BMG;
  • Sicoob;

Bancos que queriam operar mas voltaram atrás e NÃO VÃO MAIS:

  • Banco Safra

Detalhes do empréstimo consignado

De acordo com o Ministério da Cidadania, os 600 reais atualmente pagos pelo Auxílio Brasil não serão levados em consideração na assinatura do contrato de empréstimo, pois os outros 200 reais são temporários e serão pagos apenas por cinco meses, até o final de dezembro.

Assim, as famílias que receberem R$ 400 por mês (valor médio pago aos beneficiários) poderão autorizar um desconto de até R$ 160 (40% de R$ 400) para pagar a um banco ou financeira, apenas os 240 restantes reais podem ser recebidos com desconto de até dois anos se o empréstimo for desembolsado em 24 parcelas.

Por conta do valor reduzido que uma família receberá após o desconto do empréstimo salarial do Auxílio Brasil, muitos especialistas alertam que os beneficiários precisam se planejar antes de assinar um contrato de empréstimo, pois a dívida é arriscada, pois a dívida pertence ao beneficiário mesmo que ele deixe de receber os benefícios.

 

%d blogueiros gostam disto: