INSS: conheça as regras sobre a prova de vida

A prova de vida é um procedimento obrigatório para um segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) comprovar que está vivo e apto a receber todos os benefícios relacionados ao corpo. Ressalta-se que de fevereiro de 2022 a dezembro de 2022, aposentados e pensionistas estarão suspensos.

Isso porque o governo eliminou a obrigação do segurado e ele continuará recebendo seus pagamentos até o final do ano. Mesmo assim, quem quiser fazer prova de vida pode usar o aplicativo Meu INSS e os terminais de atendimento que seguem ativos.

Vale ressaltar que o segurado não precisa mais sair para obter um certificado de vida. Cerca de 36 milhões de pessoas em todo o país sentiram o impacto das novas medidas, incluindo 5 milhões com mais de 80 anos, segundo dados do governo.

Geralmente, para que um segurado do INSS continue recebendo seus benefícios, ele deve provar que está vivo pelo menos uma vez por ano. Esse processo é realizado pelos bancos para acabar com fraudes e golpes relacionados e garantir que os benefícios sejam pagos a quem tem direito a eles sem interrupção.

Prova de vida em 2023

A partir de janeiro, a confirmação da vida útil dos segurados do INSS variará em 2023. Isso porque a agência será responsável por certificar seus segurados. De acordo com a agência governamental, o processo deve processar proativamente as informações coletadas, abrangendo seu banco de dados.

Para que o segurado do INSS comprove sua vida no ano que vem, ele pode usar o aplicativo Meu INSS, ou outros aplicativos de órgãos públicos e entidades com certificação de acesso. Além disso, ele pode comprovar seu caso com dados de empréstimos consignados feitos por meio da biometria.

Ele ainda pode atestar a vida por meio de atendimento presencial nas unidades do INSS, perícia médica, sistema público de saúde e carteira de vacinação. Ainda, na consulta ao SUS, comprovante de voto em eleições, declaração de imposto de renda, emissão ou renovação de carteira de identidade, etc.

Vale lembrar que o segurado será notificado caso não consiga comprovar a vida por meio da movimentação desses dados federais. No entanto, será feito um mês antes do seu aniversário, informando que o processo exigido precisa ser realizado eletronicamente.

Comprovação do segurado

Todo beneficiário do INSS deve apresentar comprovante de vida. O objetivo é provar que ele está vivo e apto a continuar recebendo seus pagamentos. A confirmação com o titular pode ser feita ao dirigir-se ao banco responsável pela gestão e depósito dos rendimentos por meio de biometria.

Atualmente, a prova de vida é opcional. O governo tem trabalhado arduamente para levar esse processo adiante. Permite que um segurado com mais de 80 anos ou uma pessoa com deficiência receba atendimento por meio de visitas domiciliares, consultas. Pessoas com registros biométricos faciais no Denatran ou TSE podem fazer o teste eletronicamente pelo app.

Até 2023, o direito ao uso dos benefícios do INSS estará disponível por meio de comprovantes de voto. O INSS é responsável por provar que o segurado está vivo. Ele usará as informações de verificação cruzada para confirmar que o beneficiário tem algum registro no órgão governamental dentro de dez meses a partir do seu aniversário.

Conclusão

Segundo o governo, durante o período entre os dois aniversários do segurado, o INSS será obrigado a encontrar provas de que a pessoa está viva. Caso o cidadão não exerça nenhuma atividade conforme atestado de vida, pode comprová-lo sem sair de casa.

Para visualizar os benefícios, os segurados do INSS podem ligar para o número 135. É necessário confirmar algumas informações, acesse o site Meu INSS, faça login no portal e você terá acesso à sua declaração. Além disso, ele pode consultar pelo aplicativo Meu INSS para celulares Android e iOS.

%d blogueiros gostam disto: