Más notícias envolvendo INSS dão dor de cabeça a Lula

Mais de 1,1 milhão de brasileiros aguardam resposta para receber benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Esse é um problema que o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) não consegue resolver e é uma das maiores dificuldades do futuro governo Lula (PT), que ainda não revelou planos para resolvê-lo.

Nos últimos quatro anos, o Ministério do Trabalho e Previdência Social lançou uma série de programas para tentar resolver esse problema. Algumas dessas ideias até levaram a menos filas, mas a gestão ficou muito aquém da promessa feita pelo então ministro Onyx Lorenzoni de zerar a lista de espera.

Também é importante observar que durante o governo Bolsonaro, a equipe da previdência teve que enfrentar a epidemia. Devido à situação de pandemia, a unidade do INSS esteve fechada durante a maior parte do ano de 2020. Após a reabertura, a cidade sofreu uma série de greves de servidores públicos e médicos especialistas que exigiam melhores condições de trabalho, além de reajustes salariais.

O desafio para o próximo governo é enorme, pois ao mesmo tempo em que se reduzem as filas, há também preocupações orçamentárias. Se a nova administração inscrever muitas pessoas no sistema previdenciário ao mesmo tempo, os analistas acreditam que o sistema pode entrar em colapso. Semelhante ao que aconteceu recentemente, quando a atual gestão não tinha dinheiro para pagar a pensão de dezembro.

Atendimento digital

Nos últimos quatro anos, o Ministério do Trabalho e Previdência Social passou a insistir nos chamados serviços digitais. Até os robôs estão sendo usados ​​para analisar os pedidos com mais rapidez. No entanto, o sistema atraiu algumas críticas.

Alguns especialistas argumentam que, ao digitalizar o processo, o governo pode desumanizar a análise, potencialmente criando uma cascata de negações injustas que podem levar a mais judicialização e mais danos à coalizão.

Ministro da Previdência

A menos de uma semana da posse, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda não apresentou nenhum projeto para diminuir a fila de espera do INSS, inclusive nem anunciou quem vai chefiar a Previdência.

Antecedentes indicam que a posição do presidente do PDT, Carlos Lupi, pode ser confirmada nesta quarta-feira (28). Nesse sentido, algumas críticas começaram a girar em torno do signo.

Alguns eleitores acharam que a escolha de Lupi teve mais a ver com o reconhecimento político pelo apoio nas eleições do que com a experiência do presidente do PDT com a Previdência.

Vale lembrar que a posição de Lupi ainda não foi confirmada. De todo modo, fontes de bastidores apontam sua desavença interna com a deputada federal Maria Arras (Solidariedade), que também tem pouca experiência na previdência.

Fila de espera

Para quem está na fila, as multidões são para soluções rápidas. Muitos estão esperando há meses e, na maioria das vezes, esse tempo de espera faz com que não consigam sacar dinheiro do emprego porque não podem trabalhar e não conseguem receber recursos do INSS, o que demora para analisar o pedido.

Confira os valores das pensões em 2023

%d blogueiros gostam disto: